Stephanie Izard assume o ano da cabra com o anúncio de seu terceiro restaurante


Duck Duck Goat será a abordagem do Top Chef sobre a culinária chinesa

Stephanie Izard vai abrir seu terceiro restaurante em Chicago neste verão.

O Ano Novo Lunar mudou para o Ano da Cabra, e um chef de Chicago está pronto para fazer valer a pena.

Stephanie Izard, uma Top Chef alum e um dos chefs mais conhecidos de Windy City, conquistou os corações dos amantes da comida de Chicago com seus dois restaurantes, The Girl & the Goat e Cabrinha. Este novo conceito terá como foco a culinária chinesa, servida à moda de Izard.

A chef Izard faz comida chinesa com sua família há anos e uma viagem à China com seu marido e colegas ofereceu uma experiência em primeira mão com os pratos que ela quer entregar. “Enquanto estivemos lá, visitamos Pequim, Chengdu, Xangai e Hangzhou e pudemos experimentar os sabores locais em primeira mão”, disse Stephanie Izard.

Espere por macarrão puxado à mão, bolinhos e muito mais quando Duck Duck Goat for inaugurado neste verão no West Loop.


Este chef de Chicago tem apetite pelo sucesso

Com o lançamento iminente de sua linha de alimentos preparados e condimentos, planos para começar seu terceiro livro de receitas e um anúncio de novo restaurante em breve, Stephanie Izard não está prestes a tirar férias de verão. Mas junto com o resto de nós, ela está absorvendo esses dias leves e passageiros. “Gary e eu recebemos pessoas para churrascos o tempo todo”, diz Izard, o toque por trás dos restaurantes Girl & amp the Goat, Little Goat e Duck Duck Goat.

Vencedor do James Beard Award e a primeira mulher Iron Chef, o livro de receitas recém-lançado de Izard, Reúna e pastoreie, tem um capítulo inteiro dedicado a cozinhar em fogo vivo e inclui os favoritos dos fãs, como hambúrgueres banh mi e costelas de carne Kalbi. “É realmente minha parte favorita do livro”, admite o chef, que aprecia o milho doce no final da temporada.

Além de seus três restaurantes, Izard também está treinando para um triatlo de corrida e tem um filho de dois anos para perseguir, mas o chef mais diligente de Chicago está saboreando as vibrações de verão da cidade. “Os restaurantes ficam muito mais animados com os pátios abertos e todo mundo curtindo o West Loop”, diz ela. “Chicago realmente ganha vida no verão.”


Ilan Hall (temporada 2: Los Angeles)

Em uma temporada que teve alguma polêmica, com um incidente de trote de um dos competidores e Bravo não produzindo um show de reunião porque os espectadores não gostavam dos chefs, Hall prevaleceu. Depois de vencer, Hall abriu o Gorbals em LA, onde misturou sua herança escocesa e judaica com pratos como bolas de pão ázimo embrulhadas em bacon. Ele expandiu o conceito para o enclave moderno de Williamsburg, no Brooklyn, mas desde então fechou as duas locações. Em 2015, Hall abriu o vegan Ramen Hood no Grand Central Market de Los Angeles. Ele também apresentou seu próprio show de competição de culinária, um show cheio de testosterona Luta de faca na extinta Rede Esquire.


Menina e sua churrasqueira: Stephanie Izard em casa em sua cozinha ao ar livre

Desde sua vitória no "Top Chef" da Bravo, Stephanie Izard tem recebido muitos elogios por suas habilidades culinárias. Além do enorme sucesso de Girl and the Goat and Little Goat, o premiado restaurateur da James Beard Foundation em breve abrirá um terceiro restaurante - com uma inclinação de Sichuan. Duck Duck Goat está prestes a ser lançado em novembro no 857 W. Fulton Market.

Mas eu tinha ouvido falar de outro local Izard - a cozinha ao ar livre em seu próprio quintal West Loop - e me perguntei como uma chef estrela (e seu marido consultor de cerveja artesanal, Gary Valentine) organiza aquela festa americana clássica de todos os tempos, o churrasco no quintal. Para nossa sorte, Izard estava disposta a compartilhar seus segredos de churrasco, de notas de estilo a receitas.

O quintal da cidade de Izard não é enorme, mas oferece tanto habilidades para grelhar (uma cozinha embutida personalizada da Kalamazoo Outdoor Gourmet inclui churrasqueira, gavetas de geladeira e fogão) e espaço de entretenimento (uma mesa de piquenique e bancos feitos sob medida pelo amigo Brandon Duras, complementadas com banquinhos de metal simples que o casal encontrou no Home Depot.)

Quando compraram a casa, diz Izard, ela tinha "uma espécie de pátio vazio. Não havia uma churrasqueira, apenas uma mesinha. Mas adorei a hera. Gostei da ideia de uma churrasqueira híbrida (gás, lenha e carvão vegetal ). É fácil de usar. Você pode literalmente passar por ele, ligá-lo, deslizar a madeira para dentro e ele se acende. Se quiser grelhar algo rapidamente, basta usar o gás. "

O casal fez experiências com madeiras especiais: "Gary adora madeira de pêssego! Apenas tentamos evitar lascas de madeira com sabor mais intenso, como nogueira. Elas podem sobrepujar o sabor do que foi grelhado, e tudo o que você pode provar é a lasca de madeira. "

Surpreenda a ferramenta favorita para grelhar: "The Great Scrape! Em vez de uma escova, usamos esta longa placa de madeira para limpar nossa grelha.

"Morar em Chicago é muito bom estar do lado de fora quando você pode. Além disso, uma cozinha externa pode ser facilmente limpa! Depois de estar no restaurante o tempo todo, sempre tenho inveja das pessoas em nossos pátios. É bom ir para casa e aproveite nosso próprio espaço ao ar livre. Além disso, nosso cachorro, Burt, adora. "

Durante a semana, Izard passa a pinça de grelha para Valentine, ela diz: "Na verdade, meu marido cozinha mais. Mas quando eu faço, eu pego o que estiver por perto. É divertido grelhar juntos. O favorito de Gary é bife de saia. Legumes grelhados - especialmente brócolis - são meus favoritos porque a grelha adiciona muito sabor extra. E ele adora o churrasco. (Eu gosto porque) não há o mesmo estresse. Eu gosto que os amigos venham. Eles parecem felizes comendo, saindo. "

"(No outono) maçãs e outras frutas de pomar entram em cena. Além disso, abóbora e cogumelos, todos deliciosos na grelha. Você pode grelhar qualquer tipo de cogumelo, mas eu realmente gosto de galinha do mato. Eles são tão farto - parece que você está comendo um bife. Raiz de vegetais. Batatas com alevinos. Batatas-doces fatiadas. Abóbora. (Para carne) pesamos um pouco mais. Eu adoro pré-vitrificação, como pescoço de cabra ou pernil de porco e acabamento na grelha fica tão crocante lá fora. "

Um pouco da sabedoria do chef: "Eu gosto de usar (carnes que) normalmente seriam assadas, como costelas kalbi (costelinhas de churrasco coreano) ou cortes mais grossos de carne. Camarão é ótimo para grelhar. Também gosto de colocar lagosta ou caranguejo na grelha . "

"Tempere como quiser. Com o bife, eu sempre coloco um pouco de sal (kosher tem a grossura perfeita) antes. E depois. O sal realça o sabor. Apenas um cogumelo com um pouco de manteiga e sal - é o melhor cogumelo de todos os tempos . "

"Na grelha, gosto de usar marinadas intensas que dão muito sabor em poucos minutos e depois caramelizam a comida. Honestamente, eu uso minha linha de produtos (www.theflavorbystephanieizard.com) - na verdade, os molhos que uso no meu restaurante . É muito fácil marinar a carne abrindo uma garrafa e servindo. "

O que tem nessas gavetas da geladeira ao ar livre? Cerveja! Izard e Valentine mudam para stouts ou cervejas mais escuras "para celebrar a temporada" quando o outono chega. Para coquetéis, "Um simples toddy quente ou cidra quente temperada com bourbon", diz Izard. "Gosto de fazer coquetéis - normalmente uma opção de gin e uma opção de bourbon. Também gosto muito do nosso coquetel Thai One On no menu agora no Girl & amp the Goat. É feito com rum extra seco, conhaque, maracujá-tailandês xarope de pimenta e amargo de angostura. Para lanches, eu normalmente coloco azeitonas marinadas ou uma mistura de nozes quentes. "

Em uma noite perfeita na cozinha ao ar livre do Izard, as coisas são casuais - o chef pode ser encontrado em um moletom clássico e chinelos ("Mesmo quando fica mais frio no outono, eu ainda uso meus chinelos porque faz estou feliz e me lembra o verão. ")

As flores tendem a "buquês soltos, casuais, selvagens, do mercado dos fazendeiros... Gosto de girassóis". E os convidados provavelmente serão limitados a cerca de seis amigos. "Nós perambulamos pelo quintal e montamos em estilo buffet. Se estamos sentados, é em estilo familiar.

"Usamos nossos pratos maiores para apresentar e dividir os pratos. Eu adoro coisas de madeira. Muitas coisas coletadas em lojas de antiguidades aleatórias passando por Wisconsin, alguns condados franceses, alguns mexicanos. Não deveria corresponder - é mais divertido. Realmente lanternas divertidas que colocamos em nosso quintal e adicionamos luzes de corda de árvore em árvore. Isso faz com que nosso quintal pareça um café ao ar livre! "

Por quanto tempo ela está disposta a manter aquele café aberto? "Até que uma jaqueta de inverno seja necessária! Quando a temperatura está na casa dos 50 em Chicago, ainda é bom! Quando o tempo fica mais frio, colocamos cobertores e servimos cidra de maçã com especiarias. Faz você se sentir ao ar livre e permite que você aproveite o outono !

Gary e eu ainda grelhamos o ano todo. Nós até grelhamos quando estava 25 graus. Essa é a coisa boa de ter uma churrasqueira a gás / lenha. Nós simplesmente não esperamos do lado de fora. Realmente não tem fim. Basta limpar o caminho com uma pá e talvez trocar os chinelos por algumas botas de neve quentes e agradáveis! "

Elaine Markoutsas é redatora freelance.

Izard na grelha: receitas para grelhar no outono

Costeletas de porco marinadas com cogumelos grelhados e abóbora espaguete

Faz: 4 porções

1 abóbora espaguete, cerca de 1 libra, cortada ao meio no sentido do comprimento e limpa de sementes

6 colheres de sopa de manteiga sem sal

1 quilo de costeletas de porco em fatias finas com osso

1 xícara de vinagrete de gergelim (receita abaixo), mais 1/2 xícara para regar sobre o prato acabado

1 libra de galinha dos cogumelos do bosque, picada em pedaços de 2 polegadas

Marinada de cogumelos (receita abaixo)

Pré-aqueça a grelha em fogo médio-alto.

Passe 3 colheres de sopa de manteiga na polpa de cada metade da abóbora, polvilhe com sal e coloque - com a polpa para cima - em um local mais fresco na grelha. A abóbora vai cozinhar por pelo menos meia hora, então dê bastante tempo antes de cozinhar costeletas e cogumelos. Será garfo tenro, do começo ao fim, quando estiver pronto. (Você pode cozinhar as maçãs, receita abaixo, ao mesmo tempo que a abóbora.)

Mergulhe as costeletas em vinagrete para que sejam revestidas em ambos os lados. Grelhe por cerca de 4 minutos de cada lado.

Misture os cogumelos picados na marinada e coloque na grelha. Cozinhe até ficar macio e caramelizado.

Quando a abóbora estiver cozida, use um garfo e raspe delicadamente a polpa. Misture com uma pitada de sal.

Sirva costeletas de porco grelhadas sobre uma cama de abóbora espaguete, com cogumelos espalhados por cima. Regue com o vinagrete de gergelim reservado com raiz-forte.


No Girl & the Goat, a comoção é justificada

Inscreva-se para receber nossos boletins informativos.

Menina e a cabra
809 W. Randolph, 312-492-6262
girlandthegoat.com

Chikurin Sushi e cozinha asiática

1811 W. North, Ste. 103, 773-252-8880

Pensiero Ristorante
1544 Oak, Evanston, 847-475-7779
pensieroitalian.com

Menina e a cabra
809 W. Randolph, 312-492-6262
girlandthegoat.com

Sushi Chikurin e cozinha asiática

1811 W. North, Ste. 103, 773-252-8880

Pensiero Ristorante
1544 Oak, Evanston, 847-475-7779
pensieroitalian.com

Stephanie Izard nunca teve nada a provar para Chicago. Muito antes de conquistar o Top Chef, ela era dona de seus domínios em Bucktown's Scylla. Ainda assim, durante a espera interminável de dois anos entre sua vitória na quarta temporada e a abertura de Girl & amp the Goat, ela andou pelas corredeiras de um fluxo de hype implacável, embora divertido, pontuado por tweets, postagens em blogs e inúmeros eventos públicos. E a menos que você tivesse a sorte de conseguir ingressos para um de seus jantares "underground" bem divulgados (ou para dar testemunho como membro da mídia gastronômica cada vez mais comprometida da cidade), a notícia deles só serviu para aumentar a ansiedade: será que Steph realmente puxe-o para fora?

Com seus parceiros no Boka Restaurant Group & mdashs, que adquiriram o hábito de apoiar chefs formidáveis ​​como Giuseppe Tentori da Boka e Ryan Poli da Perennial & mdashshe's, ela se posicionou em um espaço cavernoso na fileira de restaurantes de Randolph. No segundo que você gira através de suas portas giratórias, você é assolado por uma lasca de carne torrada que sai do forno a lenha no fundo da sala e uma sensação de mdasha reforçada pela divisória do chão ao teto carbonizada e acessórios de lareira de ferro acima do bar. É como se você tivesse entrado no cenário de um incêndio fumegante em um celeiro, onde os antigos habitantes estão sendo colocados da melhor forma possível.

E lá atrás, iluminado pela luz da cozinha e pela chama aberta, está a própria Top Chef, suando na frente da fila exposta e despachando os pedidos. A única indicação de que ela é algo mais do que uma cozinheira esforçada é a pausa para um instantâneo ocasional com fãs sorridentes. Com pouco mais de um mês em ação, aquela linha estava lançando alguns dos meus pratos mais memoráveis ​​do ano, bem como muitos outros muito bons, e apenas alguns insucessos.

O menu de pequenos pratos rústicos e compartilháveis, dividido em categorias de vegetais, peixes e carnes, é fortemente sazonal e muitos provavelmente já mudaram no momento em que você lê isto.

Combinações pouco ortodoxas, mas não incomodativas, são o produto de Izard: raízes de raízes raspadas e mirtilos em molho de leitelho de anchova, frango com molho de feijão preto fermentado e melancia, pizza de cabra defumada com ginjas, cordeiro grelhado e abacate com molho de pistache azedo. Ela adora guarnições de mamíferos em pratos de peixe. Um crudo hiramasa polvilhado com toucinho crocante e salpicado de molho de pimenta peruano foi uma das coisas mais delicadas que coloquei na boca. Quase todo o resto era organizado de forma simples e atraente: um caranguejo crocante de casca mole cavou-se de uma pilha de milho doce de limão que superou os caríssimos elotes que tantos restaurantes estavam vendendo neste verão. Caracóis e almôndegas de cabra com cauda romesco e bagna aninhados em um crock. Roleta de pimenta Shisito (uma em dez vai queimar seu rosto) jogada em uma tigela, regada com molho cremoso de parmesão e missô. Amêijoas e salsichas em uma terrina de molho de creme fino com apenas alguns fios solitários de linguine foi meu maior arrependimento - não apenas salgada demais, mas salgada demais. Eu poderia ter pedido mais carne.

Os frequentadores de restaurantes comprometidos agora estão confortáveis ​​com toda a fera, mas os esforços de Izard com o quinto trimestre são verdadeiramente originais & mdash - a já notória cara de porco assada, pedaços de carne suculenta empilhados como panquecas com um ovo frito por cima e stix de batata, sendo a exceção . Embora tenha ganhado a maior parte da atenção, a língua de boi refogada com masa, salsa verde e verduras salteadas ásperas merece mais & mdash como um banh mi vietnamita, é uma bela orquestração de sabor, textura e temperatura. As vísceras mudam um pouco: uma noite apareceu um bocado de gorduroso defumado de maneira enganosa, batido com biscoitos e cebolas embebidas em boubon, junto com um prato de satay de coração de cabra com pêssegos doces locais e radicchio agradavelmente amargo.

Da mesma forma, costela de cabra assada e pernas de vitela assadas vêm e vão, assim como o serviço de mudança de pão & mdash, que vai custar caro. O boule quente e pastoso com manteiga de fígado e molho azedo de ameixa valeu bem a pena os US $ 4, embora eu recomendasse dar um passo para os pratos de pão para absorver o excesso dos pratos posteriores.

As coisas ficam particularmente dolorosas na sobremesa, o tipo que não será visto em breve novamente. O torrão de milho doce & mdash praticamente escondido no fundo de uma jarra de conservas, temperado com algumas gotas de vinagre de xerez e coberto com bacon esmigalhado & mdash é o ouro mais rico e fresco do verão. Isso é quase igualado por uma bavaroise cremosa de queijo de cabra com bolo de açúcar mascavo e mirtilos, ou um riff em um Fudgesicle com gelato de azeite regado em cerveja envelhecida em carvalho.

Esta é a minha nova estreia favorita este ano, apenas em pequena parte porque é um daqueles raros casos em que o alvoroço é inteiramente justificado. Na verdade, pela primeira vez, serve a um propósito nobre: ​​a comida de Izard, já validada na TV, continuará a receber a atenção que sempre mereceu muito depois que as câmeras pararam de rodar. & mdashMike Sula

Você pode pensar que Chikurin Sushi & amp Asian Cuisine soa como apenas mais um restaurante pan-asiático chato, mas este elegante recém-chegado de Bucktown tem algumas surpresas na loja. Piquant ma po tofu era tão bom quanto a maioria das versões que já comi em Chinatown, e a carne mongol feita com carne muito macia superou muitas. Carne de porco não era uma escolha de proteína para moo shu, e frango não se compara, mas o recheio tinha o resto da coisa certa e as panquecas eram bem finas. Com um toque mais saboroso de curry, o macarrão de Cingapura com carne de porco grelhada e camarão gigante poderia se tornar meu lanche noturno favorito.

Já o sushi não tem nada de especial. Bolinhos de arroz ficavam um pouco soltos em uma visita, bem em outra. Um rolo de Fuji de dentro para fora foi agradável, exceto pelos aspargos fibrosos dentro com a enguia e o caranguejo. E o nori encharcado arruinou um simples maki de cebolinha amarela com quase nenhuma cebolinha. Uma fusão intrigante, mas imperfeita, envolve peixes crus, incluindo "carpaccio" (também conhecido como sashimi) com fatias finas de chile verde ardente nadando em molho de ponzu e tártaro de atum levemente mole com abacate, coentro e óleo de gergelim, câmera pronta em uma taça de martini com ondulações fios de cenoura e daikon.

Dos três aperitivos quentes que experimentamos, o tempura foi coberto com um empanado denso que não passaria em nenhum restaurante japonês digno desse nome, e eu não consegui sentir o gosto do repolho em conserva nas panquecas de kimchi. Os "mexilhões dinamite", recheados com uma mistura de caranguejo e mexilhões e assados, eram melhores, mas o molho não fazia jus ao nome. Nosso único prato principal tailandês, um curry de leite de coco vermelho carregado com camarão e vegetais, era rico e satisfatório. O arroz cozido no vapor é ao estilo japonês, de grãos curtos e um pouco pegajoso.

A julgar por duas visitas, o serviço precisa de trabalho & mdashit pode ser sábio especificar a ordem em que deseja receber seus pratos. Agora existe um bar completo. & mdashAnne Spiselman

Neste verão, o chef-consultor Alan Lake assumiu o amado Va Pensiero de Evanston e o transformou em Pensiero Ristorante & mdash, atualizando e refinando o conceito original, em vez de modificá-lo, como o nome sugere. Alojado no imponente Margarita European Inn em uma rua tranquila, ainda tem aquela sensação de "noite especial" & mdash, tenho certeza de que estará lotado no fim de semana dos pais de Northwestern. Mas agora tem algo mais.

A culinária italiana segue fortemente a tradição e qualquer variação pode causar consternação na pátria. Quando pedi carne fatiada com purê de cenoura uma vez na Itália, um companheiro de jantar italiano declarou que nenhum compatriota seu jamais sonharia em pedir tal coisa. Essa mentalidade rígida permite que as receitas tradicionais floresçam, mas não deixa muito espaço para experimentação. Mas aqui Lake é livre para adicionar queijo Asiago aos peixes & mdashheresy! Especificamente, ele o adiciona ao linguine diavolo, um prato de massa picante de camarão e ostras (principalmente camarão) com essência de lagosta, onde derrete para dar uma textura sutil e escorregadia ao linguine perfeitamente al dente sem ficar pegajoso.

Da mesma forma, nunca comi barriga de porco tão descaradamente gordurosa e tenra como a de Lake em um restaurante italiano que é servida com cogumelos exóticos e um bolo de risoto crocante. Ele também desconstrói crostini alla Toscana (um aperitivo toscano de pasta de fígado de frango quente no pão), servindo fígados de frango grelhados inteiros moles espetados em raminhos de alecrim. Um condimento de geléia feito com cebola e vinho doce de marsala da Sicília - praticamente um país estrangeiro para os italianos do norte - mostrou a habilidade de cruzar as fronteiras regionais com uma única receita. Raviólis aparentemente leves recheados com ricota e espinafre, acompanhados por cubos de torta de maçãs salteadas e polvilhados com pistache, realçavam o sabor saboroso de um prato familiar.

Um especial de saltimbocca de vitela foi talvez um pouco pesado para uma noite quente de agosto & mdashI na verdade gostei mais como sobras no dia seguinte, quando os sabores terrosos haviam se acalmado um pouco. A polenta frita crocante que acompanha, perfeitamente cremosa por dentro, me fez desejar saber o segredo para replicá-la em casa. Vieiras de mergulho com caponata agridoce e um beurre blanc de laranja prosecco eram uma escolha mais apropriada para o clima. O menu continuará mudando sazonalmente sob o chef permanente Christian Fantoni, que foi trazido apenas esta semana.

Uma lista de coquetéis históricos parecia um pouco chocante neste contexto e tinha pouco apelo antes de uma grande refeição. Melhor ficar com a carta de vinhos, que oferece garrafas a preços razoáveis ​​de toda a Itália e uma boa seleção a copo. & mdashHeather Kenny

[Nota do editor: depois de várias mudanças de chef, o Pensiero Ristorante agora oferece apenas horários limitados.]

Apoie o Jornalismo Independente de Chicago: Junte-se à Revolução do Leitor

Nós falamos de Chicago com os habitantes de Chicago, mas não poderíamos fazer isso sem a sua ajuda. Cada dólar que você doa nos ajuda a continuar a explorar e relatar os diversos acontecimentos de nossa cidade. Nossos repórteres vasculham Chicago em busca do que há de novo, o que é agora e o que vem a seguir. Fique conectado ao pulso da nossa cidade juntando-se ao Revolução do leitor.


NO TOPO DE SEU JOGO

O cardápio que Stephanie Izard planejou, jogou fora e depois planejou novamente era extravagante. Três pratos, 10 pratos. Algumas ideias novas. Um velho favorito ou dois. E cada um usaria bacon.

Pequenos popovers com sabor de bacon cobertos com mascarpone e salmão. Berinjela caponata enriquecida com nectarina, pinhão e bacon. Barriga de porco combinada com raiz de aipo, maçã e vinagrete de alecrim.

& quotEu escolhi coisas que adoro especialmente com bacon & quot, disse o chef de Chicago e vencedor do & quotTop Chef & quot.

Então, quando 100 foodies, fãs de Stephanie e devotos do & quotTop Chef & quot se reuniram para a segunda parcela da série de jantares & quotThe Wandering Goat & quot - a abordagem de Izard sobre aqueles banquetes móveis organizados pela Internet chamados de jantares subterrâneos - o menu foi impressionante.

Sabores em camadas sobre sabores. Emparelhamentos inesperados. Pequenos luxos. Um banquete indulgente que desafiou o paladar e os preconceitos culinários dos clientes.

Em cada prato, tento sempre deixar a boca toda feliz ”, diz Izard. "Você quer um pouco de acidez, um pouco de doçura, um pouco de tempero ou um pouco de salgado." E você quer impressioná-los. Que foi o que aconteceu quando 20 filhotes de barramundi lindamente torrados e compridos - cabeças unidas, recheadas com erva-doce, cebola roxa e alho, e colocadas em cima de uma mistura grelhada de pêssego-bacon-tomate-milho doce - chegaram às mesas. A conversa de Foodie mudou para overdrive.

Francis Sadac, um blogueiro de Chicago e adepto da cena gastronômica underground, tirou fotos do barramundi.

"Todo mundo amou o peixe", diz a colega de mesa Beth Inlander, de Chicago. & quotNós nos certificamos de (Sadac) tirar suas fotos antes que alguém desse uma mordida. & quot

A conversa culinária e camaradagem enchendo a sala cavernosa foi alimentada pela decisão de Izard de servir a refeição em estilo familiar. Ao longo da noite, enormes travessas carregadas de comida foram transportadas para as 10 longas mesas no loft arejado, enfiadas entre os armazéns perto da Fulton Street e da Western Avenue.

"Tenho seguido ela no 'Top Chef' e no Twitter", diz a Chicagoan Charlotte Walker, que chegou com uma banda de oito fãs de Stephanie e devotos do "Top Chef". & quot Vai ser divertido ver o que ela vai fazer - e seria ótimo conhecê-la. & quot

A troca de pratos, a partilha, & quotit faz com que as pessoas gostem um pouco mais da companhia umas das outras, e você fala sobre a comida que compartilha & quot, disse Izard. & quotE é mais interativo. & quot

Izard, a única mulher a ganhar as honras no reality show de culinária da Bravo & quotTop Chef & quot até agora, chef do The Drunken Goat, seu restaurante inaugurado em fevereiro na West Randolph Street, e proprietário do agora fechado restaurante Scylla em Bucktown, começou uma série de jantares underground no final do verão apelidado de The Wandering Goat. Mais dois estão programados antes do final do ano. Ela provavelmente poderia fazer mais um par. Os 100 ingressos para a noite do bacon se esgotaram em 90 segundos, eclipsando o tempo esgotado de 9 minutos de seu primeiro banquete underground.

Uma chance de manter os músculos do restaurante tonificados, a ideia de Izard para os jantares também atraiu seus sócios no empreendimento The Drunken Goat, Kevin Boehm e Rob Katz, uma equipe que já possui três restaurantes (Boka, Perennial, Landmark) e uma empresa de catering. “Foi ideia da Stephanie e eu simplesmente achei brilhante”, diz Boehm.

Então, por volta das 10h do dia do jantar, sua equipe culinária estava trabalhando nas grandes mesas, fogões e pias de aço inoxidável da Kitchen Chicago, uma cozinha profissional de uso compartilhado que doou suas instalações para a noite.

Para os 100 comensais, Izard montou sua equipe - composta por & quota de muitos amigos que queriam ser voluntários & quot - 10 cozinheiros, 10 servidores. “Sempre gosto de ter mãos suficientes na cozinha”, diz ela. & quot Torna-o um pouco menos estressante. & quot

Havia Enoch Simpson, que havia trabalhado com ela em Scylla. E Dave Gollan, que trabalha com ela desde junho e será um dos subchefes do The Drunken Goat. Os chefs Daniel Fox e Jason Veal do The Madison Club em Madison, Wisconsin, dirigiram com pães de bacon e cerveja recém-assados ​​antes de iniciar a preparação.

Bandejas de barriga de porco grelhada e tofu levemente torrado estavam empilhadas em carrinhos. Ervas frescas picadas perfumavam o ar. Conchas de ostra limpas - colocadas sobre uma cama estabilizadora de ervilhas secas e feijão preto - aguardavam ostras Kumamoto rechonchudas e fritas, regadas com vinagrete, cobertas com um pouco de bacon. Anotações ao redor da cozinha listavam os pratos e uma ladainha de seus ingredientes.

Os doces finais para a refeição de Jessie Oloroso (seus pirulitos de sorvete Black Dog Gelato) e Daniel Herskovic (seus delicados amêndoas torradas de chocolate Mayana, corações de maracujá e muito mais) estavam prontos para ir.

Boehm e Katz estavam presentes, preparando a área de jantar, acompanhando o progresso na sala de jantar e ajudando os garçons a colocar os pratos nas mesas. "É tudo uma questão de atenção aos detalhes", diz Katz.

Na sala de jantar, a equipe preparou as mesas e os vinhos - incluindo um Woollaston Pinot Noir de 2006 e Allan Scott Sauvignon Blanc de 2008 - enquanto Dan Tompkins e Lincoln Anderson da cervejaria Three Floyds abriram torneiras para servir Alpha King Pale Ale e Drunk Monk hefeweizen .

As únicas decorações do quarto: uma pinata roxa e prateada em forma de cabra (mascote da cabra errante) e um manequim com uma cabeça de peixe fresco.

Os hóspedes começaram a chegar às 18h30, com a notificação do endereço por e-mail na noite anterior com esta advertência: & quotEsta é uma informação privilegiada que não deve ser compartilhada com não titulares de bilhetes. & Quot

Duas horas após o início do jantar e 10 horas depois que ela e sua equipe começaram a cozinhar do dia, Izard saiu da cozinha sob aplausos. Cerveja na mão, ela se sentou e conversou na sala de jantar cheia do adorável barulho da conversa.

& quotA socialização acrescenta a toda a experiência & quot, diz David Inlander. “Tivemos a sorte de estar sentados ao lado de várias pessoas divertidas que. (contadas) histórias sobre sua apreciação da comida, viagens e, claro, do chef. & quot

Considere o tamanho da sua cozinha e sala de jantar antes de decidir o número de pessoas a convidar.

"Escolha as proteínas primeiro", sugere a chef Stephanie Izard e, em seguida, use o que está disponível e na estação.

Você tem espaço suficiente na geladeira e no forno? Caso contrário, ajuste o menu.

& quotVocê não quer deixar (cozinhar) tudo isso um dia, & quot, Izard diz. Molhos, sopas e carnes assadas podem ser preparados um dia antes?

& quotTer um menu. (mas) seja flexível porque você definitivamente deseja basear-se no que parece bom no mercado ”, diz ela.

Ponha as mesas com pratos, taças de vinho e talheres, então, diz Kevin Boehm, verifique se as travessas cabem nas mesas.

Reserve uma área de preparação ou serviço. Izard certa vez usou sua tábua de passar para chapeamento.

“Cerca de uma hora antes do jantar, controle-se e prepare-se mentalmente”, diz Izard. & quotRea sua lista e certifique-se de que tem tudo. & quot

* Mini bacon-popovers com salmão defumado, tomate e mascarpone

* Ostras Kumamoto crocantes com vinagrete de bacon

* Linguine com amêijoas, bacon, salsicha e creme fraiche de raiz forte

Tofu com bacon, cordeiro apimentado e churrasco picante

Barramundi bebê com bacon, pêssego grelhado, tomate relíquia e milho doce

Barriga de porco com raiz de aipo, maçã e vinagrete de alecrim

Berinjela caponata com nectarina, pinhão e bacon

Queijo Rogue River Smokey Blue com bacon, maçã e erva-doce, ciabatta

Figos caramelizados com ricota fresca, tomate e bacon

Chupa-chupas de gelato Black Dog

MINI BACON-POPOVERS COM MASCARPONE E SALMÃO FUMADO

1/2 libra de bacon, cortado em pedaços de 1/2 polegada

1/2 libra de salmão defumado, em flocos

Raspas e suco de 1 limão

2 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem

3 colheres de sopa de queijo mascarpone

1. Aqueça o forno a 425 graus. Aqueça uma frigideira grande em fogo médio. Adicione o bacon e cozinhe até que a gordura esteja derretida e o bacon esteja crocante, cerca de 15 minutos. Retire o bacon da gordura com uma escumadeira de reserva de bacon para outro uso. Reserve 1/4 de xícara da gordura.

2. Bata a farinha e o sal em uma tigela grande. Combine o leite e os ovos em uma tigela separada dobre os ingredientes úmidos nos ingredientes secos até misturar completamente. Despeje 1/4 de colher de chá da gordura do bacon em cada uma das xícaras de duas forminhas de muffin e leve ao forno por 5 minutos. Retire do forno e encha cada xícara um terço da forma com a massa, cerca de 1 colher de sopa cada. Asse por 5 minutos, reduza o fogo para 350. Asse por 13-15 minutos. Retire e deixe esfriar sobre uma assadeira.

3. Enquanto isso, misture o salmão, as alcaparras, a cebola, as raspas e o suco de limão e o azeite de oliva em uma tigela. Coloque um pouco de mascarpone em cima de cada popover (os popovers devem sair do forno com pequenos entalhes, se não, corte os topos para rechear) e cubra com a mistura de salmão.

LINGUÍNA COM AMEIXAS, SALSICHA E CREME FRAICHE DE HORSERADISH

1/3 xícara de rábano preparado

6 tiras de bacon, cortadas em pedaços, 1/2 polegada de largura por 1 polegada de comprimento

1/2 libra de linguiça de porco italiana leve, tripas removidas

1 dente de alho grande, picado

1 bolbo de erva-doce picada

1/2 colher de chá de sambal, ver nota

2 dentes de alho grandes, fatiados

2 dúzias de amêijoas manilla, esfregadas

Sal grosso, pimenta moída na hora

1. Combine o rábano e o creme fraiche em uma tigela pequena.

2. Aqueça uma frigideira grande em fogo médio-alto. Adicione o bacon e cozinhe por 5 minutos. Adicione a salsicha em pedaços grandes. Brown, mexendo ocasionalmente, 5 minutos. Adicione a cebola, o alho e a erva-doce e reduza o fogo para médio. Cozinhe até que as cebolas e o funcho estejam macios e perfumados, 5 minutos. Junte o sambal. Retire a mistura do fogo e reserve.

3. Aqueça uma panela grande com água com sal até ferver e adicione o linguine. Cozinhe al dente, escorra por 7-9 minutos. Enquanto isso, derreta a manteiga em um forno holandês em fogo médio. Adicione a cebola e o alho e cozinhe por 1 minuto. Adicione o fogo do vinho para ferver. Adicione cobertura de amêijoas. Cozinhe as amêijoas no vapor até abrirem, cerca de 5 minutos.

4. Adicione a mistura de linguiça às amêijoas no forno holandês. Adicione o linguine. Despeje o creme fraiche de raiz forte por cima da mistura para combinar e cobrir a massa. Tempere com sal e pimenta a gosto e adicione mais raiz-forte, se desejar.

Nota: Sambal é um molho picante de chili indonésio, procure nos mercados de comida asiática.

OSTRAS CRISP COM BACON AIOLI

Para a festa, Izard adotou esta receita, diluindo o aioli para fazer um vinagrete. Você pode seguir as instruções aqui para o aioli ou cortar o óleo pela metade para torná-lo mais fino. Para os brotos, usamos rúcula e manjericão roxo da Tiny Greens no Green City Market em Chicago, você pode substituir o cerefólio picado.

6 tiras de bacon cortado grosso, fatiado em pedaços de 1/2 polegada

1 colher de sopa de mostarda dijon

1 cup blended oil (half canola, half olive oil) or grapeseed oil

Coarse salt, freshly ground pepper

12 oysters, shucked, shell bottoms reserved

1/3 cup each: cornstarch, flour

1 cup canola or peanut oil

Variety of sprouts, chopped

1. Heat a large skillet over medium heat. Add bacon cook until crisp, 7-10 minutes. Transfer bacon to paper towel lined plate. Pour off some of the fat.

2. Put yolk, vinegar, mustard and honey in a blender. Pulse several times to combine. Drizzle in the oil with the blender running until all has been incorporated and a thick emulsion forms. Crumble the bacon reserve some for garnish. Add remaining bacon to blender blend until smooth. Tempere com sal e pimenta a gosto.

3. Clean the bottoms of the oyster shells pat dry. Deixou de lado. Rinse oysters to remove any shell bits pat dry. Whisk together the cornstarch and flour in a large bowl. Fold in the beer to make a loose batter, adding more beer if the batter seems too thick.

4. Heat oil to 365 degrees in a deep medium saucepan or Dutch oven. Dunk oysters in the batter, coating thoroughly. Carefully slip oysters into hot oil, in batches if necessary fry until crisp and golden. Remove from oil with slotted spoon sprinkle with salt and pepper.

5. Put a spoonful of aioli on each of the cleaned oyster shells. Top with fried oyster. Garnish with dollop of aioli, sprouts and bits of bacon.


Chicago, Illinois

Wood-fired char siu ribs at Stephanie Izard’s Duck Duck Goat in Chicago. (Photo: Galdones Photography.)

Duck Duck Goat
James Beard Award–winning Stephanie Izard is the executive chef and partner of two of Chicago’s most popular restaurants, Girl & the Goat and Little Goat. Her third venture, which opened last week, brings reasonably authentic Chinese cuisine to the city’s Fulton Market area. The menu draws from her travels throughout China, to Beijing, Chengdu, Shanghai, Hangzhou and Taiwan, as well as her experiences from Chinatowns across the U.S. The menu is divided into seven sections, including dim sum, hot soups, cold dishes, noodles, fried rice, main and large dishes. Highlights include freshly made crab rangoon, made-to-order pork and crab soup dumplings, goat belly lo mein, crispy frog legs and potato with house-made oyster sauce, and, of course, Peking duck. A pastry program focuses on Taiwanese desserts. The venue itself combines the objects and design aesthetics brought to the U.S. by Chinese immigrants post WWII and Western aesthetics of the time. Each dining room at the restaurant is designed to be somewhat like a theater experience, with the indoor/outdoor style of Chinatowns brought to life. 857 W. Fulton Market, Chicago, IL 60607 duckduckgoatchicago.com


Top Chef Winners: Where Are They Now?

Season 13 of Bravo’s hit reality cooking series Top Chef premiered this month, which made us wonder: what do winners do after taking home the grand prize? We took a trip down memory lane to catch up on all of the champions, way back to the first season in 2006.

A few learnings: More often than not, Top Chef winners go on to open their own restaurant (or two or three of them). Only three out of 12 Top Chefs are women, and some are more high-profile than others. Some have won James Beard Awards, while others have found careers in television. Many have opened or are planning on opening fast-casual concepts.

Here’s an overview of Top Chef winners, then and now.

1. Harole Dieterle

New York native Harold Dieterle won the first season of Top Chef, set in San Francisco in 2006, after besting runner-up Tiffani Faison in the final challenge in Las Vegas. Following stints at Della Femina in the Hamptons and Red Bar and 1770 House in New York City, he worked as a sous chef at The Harrison, also in NYC.

After taking home the $100,000 prize, Harold became a New York City restaurateur. He opened his first restaurant, Perilla, in 2007, and three years later he opened a Thai restaurant called Kin Shop. Later he opened a third concept, The Marrow.

Sadly, none of Harold’s restaurants have stood the test of time. In October 2014 he said goodbye to The Marrow, and last month he announced he would be closing Perilla and Kin Shop as well. In an interview with Eater he attributed his decision to the rising cost of doing business in New York, adding, “It’s gotten to the point where I’m not having fun and enjoying myself. I’m not saying I never want to return to the restaurant business, but right now, I’m feeling a little beat up and a little tired.”

Up next: Harold and his wife are expecting their first child in February, so he’s planning to take some time off. But he expressed interest in opening a fast-casual concept down the road.

2. Ilan Hall

Filmed in Los Angeles, season two was the first time we saw Padma Lakshmi — now a star on Top Chef and beyond — take over as host. Ilan Hall (also a New Yorker) beat Marcel Vigneron in the season finale in Hawaii, amid plenty of heated rivalry between the two contestants. (Fun fact: Ilan and Marcel studied at the CIA at the same time. Apparently they have since made amends.)

Ilan was a line cook at New York City’s Casa Mono before winning Top Chef. In 2009 he opened his first restaurant, The Gorbals, in Los Angeles, but it closed within a week — the county health department shut it down due to an inadequate water heater. Happily it reopened a couple of months later, and in 2014 he opened a second location in Brooklyn. The same year, he announced he would be moving the location of the L.A. restaurant and changing the menu to be almost entirely vegan (it hasn’t reopened yet).

Now, Ilan is the host of Knife Fight, another reality cooking show in which two cooks square off, preparing dishes using a few designated ingredients in just one hour.

Up next: This week, Ilan announced he’s shutting The Gorbals in Brooklyn, changing the concept and the name. Esh — Hebrew for “fire” — will serve Israeli-Middle Eastern barbecue.

3. Hung Huynh

Season three of Top Chef took place in Miami and ended in Aspen, where Hung Huynh, a Vietnamese-American chef, beat two runners-up: Dale Levitski and Casey Thompson. Hung cooked at Per Se and Gilt in New York and held the post of Executive Sous Chef at Guy Savoy Las Vegas before joining the show.

Depois de Top Chef, Hung competed in the 2008 Bocuse d’Or USA contest, with the aim of representing the United States at the international competition the following year. He lost out to Chef Timothy Hollingsworth but went on open a number restaurants with the EMM Group — The General, Catch, Lexington Brass — helping the group expand globally.

After four years, he cut his ties with the group in February 2015, frustrated that he wasn’t “taken seriously by somewhere like the New York Times” working with the large business.

Up next: There’s no word on Hung’s next project, but he wants it to be national in scope. He added, “I think the direction is going toward much more simple and healthy fare. I think the direction is more casual, and less expensive.”

4. Stephanie Izard

No Top Chef: Chicago, Chef Stephanie Izard was named winner over Lisa Fernandes and Richard Blais after a Puerto Rico finale featuring famous New York chefs Eric Ripert, Dan Barber and April Bloomfield. Notably, Stephanie was the first female chef to win Top Chef, and she’s also among the most high-profile alums from the show.

She worked at Jean-Georges Vongerichten’s restaurant Vong before moving opening her first restaurant, Scylla, in Chicago’s Bucktown (she was only 27). Reviews were positive, although Scylla shuttered in 2007, and Stephanie opened her flagship Girl and the Goat with the BOKA Group after her Top Chef win. Again, she received rave reviews for the restaurant, following it with another project, Little Goat, in 2011.

In 2012, Stephanie was nominated for the James Beard Foundation’s Best Chef: Great Lakes award, and she took home the title in 2013.

Up next: Stephanie is getting ready to open Duck Duck Goat, a Chinese-inspired concept with handmade noodles and dumplings — and a takeout window. It’s currently slated for early 2016, and preview tickets go on sale soon.

5. Hosea Rosenberg

In this New York-based season, Hosea Rosenberg wowed judges over Stefan Richter and Carla Hall (now a food television darling). They went head to head in New Orleans, with runners-up from previous seasons as sous chefs.

Hosea worked under established chefs such as Wolfgang Puck before becoming Executive Chef at Jax Fish House. Depois de Top Chef, he opened a catering business, Blackbelly Catering, followed by Blackbelly Farm. His first restaurant — appropriately, Blackbelly Market — came to life in 2011 with a true farm-to-table philosophy, in which the team raises their own livestock and grows organic vegetables for the restaurant.

Up next: In September Hosea announced Blackbelly’s plans to expand its butcher operations, taking over the space next door to the restaurant. Breakfast and lunch operations will move into the new space, along with offerings such as pickles, cured meats and cheeses.

6. Michael Voltaggio

One of the most memorable competitions in Top Chef history was when Michael Voltaggio took on his brother Bryan, along with Chef Kevin Gillespie, in Las Vegas, concluding the season in Napa. Their mother surprised them with an appearance at the finale, turning the occasion into a full-on family affair.

Both Voltaggios grew up in Maryland Bryan attended culinary school, but Michael didn’t. Instead, he apprenticed at The Greenbrier and cooked at Charlie Palmer’s Dry Creek Kitchen. During his time as Chef de Cuisine at The Bazaar by Jose Andres, the restaurant was nominated by the James Beard Foundation for the Best New Restaurant award.

Depois de Top Chef, Michael worked as Chef de Cuisine at The Dining Room in Pasadena and later decided to open his own restaurant, ink., in West Hollywood. The restaurant was highly acclaimed, and Michael followed up with a sandwich shop, ink.sack, just a few doors down.

Up next: Last month, Michael and Bryan announced they are planning to open a steakhouse at MGM National Harbor casino in their home state, Maryland. Although Bryan has nine restaurants of his own, this will be the brothers’ first joint venture.

7. Kevin Sbraga

Starting in Washington D.C., this season culminated in Chef Kevin Spraga coming out as champion over Ed Cotton and Angelo Sosa in Singapore — the series’ first international venue.

Kevin became Culinary Director of Jose Garces’ Garces Restaurant Group in 2008. (He also won Best Meat Presentation at the Bocuse d’Or USA.) At the time that he joined Top Chef, he was the Executive Chef at Rat’s in Hamilton, New Jersey, and after the show wrapped he decided, like many others, that it was time to do his own thing.

In October 2011 Kevin opened his eponymous restaurant Sbraga, earning accolades from Bon Appetit, Zagat and Escudeiro. He has since opened two additional restaurants, The Fat Ham and Sbraga & Company, both showcasing creative dishes inspired by Southern cuisine and traditions.

Up next: Sbraga & Company just opened in November in Jacksonville, so Kevin is taking on an entirely new market. The project is a partnership with Colicchio Consulting — helmed by Phil Colicchio (cousin of Top Chef‘s Tom Colicchio) — which unites business developers and culinary talent.

8. Richard Blais

Season 8 was Top Chef: All-Stars — all of the contestants were chefs who had competed in previous seasons but missed out on the title. The prize money also doubled from $100,000 to $200,000. Filmed in New York and concluding in The Bahamas, the season saw Chef Richard Blais beat Mike Isabella in the final episode.

Blais, a New Yorker, graduated from the CIA and trained at an impressive list of establishments, including The French Laundry, Daniel, Chez Panisse, and elBulli. He moved to Atlanta in 2000 and founded his own culinary company Trail Blais, opening Flip Burger (with locations in Atlanta, Birmingham and Nashville) and Juniper & Ivy (San Diego).

He first appeared on the fourth season of Top Chef, where he was the runner-up to Chef Stephanie Izard. After winning All-Stars, he became a regular food TV star, hosting the show Cook Your Ass Off on HLN and the Food Network’s Halloween Baking Championship, and of course, judging Top Chef. He published a cookbook, Try This at Home: Recipes from My Head to Your Plate, which was nominated for a 2014 James Beard Award.

Up next: Last month Richard opened another San Diego restaurant, The Crack Shack, an all-day chicken and eggs concept that marks his first foray into the fast-casual space.

9. Paul Qui

In Season 9, Top Chef: Texas, Chef Paul Qui took the Top Chef title over Sarah Grueneberg. With 29 chefs total, there were many more contestants this season than in previous ones. Bravo also introduced the “Last Chance Kitchen” webcasts, in which eliminated contestants continued to compete and the final winner was invited back to the competition.

Paul was born in the Philippines and grew up in Virginia before moving to Austin for culinary school. He trained under Chef Tyson Cole at Uchi and helmed the kitchen at Uchiko, where he won the James Beard Award for Best Chef: Southwest. During that time, he and Moto Utsunomiya started a side project: East Side King, a food truck that’s grown into a five-location concept.

He was already planning to open his own restaurant when he joined Top Chef, but the experience took him in a new direction and gave him the visibility to be able to do so. (Tom Colicchio later called Paul the most talented chef to ever compete on the show.) After Top Chef he opened the doors to qui, an Asian-inspired that has received wide acclaim for its inventive tasting menu.

Up next: Earlier this year Paul announced plans to open Otoko, a 12-seat omakase-style restaurant, in Austin’s South Congress Hotel. In the summer, Comida e vinho reported that he is also opening a restaurant outside of Texas for the first time — he’s joining chefs Gabriel Ask and Francis Mallman to start concepts in the Faena Hotel. His is called Pao.

10. Kristen Kish

This Seattle-based season saw Chef Kristen Kish trump Brooke Williamson in the finale. It also added another layer to the “Last Chance Kitchen” series: viewers could vote to save chefs from elimination, and the contestants with the most votes were invited back to the final round of the webcast.

Born in Seoul, South Korea, Kristen grew up in Michigan and studied cooking in Chicago. (She was also a model in high school.) She worked as an instructor at Stir, a demo kitchen and cookbook store founded by Chef Barbara Lynch, before going on to be named Chef de Cuisine at Lynch’s restaurant Menton. She helmed the back-of-house there until 2014.

In 2015 she co-hosted a new Travel Channel series, 36 Hours, based on the New York Times column.

Up next: Last week the Boston Globe reported that Kristen landed a publisher for the cookbook she’s been working on, a collection of � technique-driven recipes.”

11. Nicholas Elmi

In the 11th season in New Orleans, Chef Nicholas Elmi won over Nina Compton and Bravo introduced “Padma’s Picks,” a web series in which local chefs competed for the chance to join the official roster of contestants. His win was actually somewhat controversial Nicholas had survived a few near-eliminations and was considered the underdog of the season.

He has an impressive resume, having cooked at Guy Savoy Paris, Oceana and Lutece, among other restaurants. His own Philadelphia restaurant Laurel debuted just a month after Top Chef premiered it’s a French-inspired BYOB concept with a small, intimate dining room. In March of this year he transitioned to a tasting menu-only format at Laurel.

Up next: Last year Eater reported that Nicholas was planning to open a second restaurant, but nothing has been announced. He is, however, expanding Laurel into the space next door, giving him room for a bar.

12. Mei Lin

In the last full season, set in Boston, Chef Mei Lin was named Top Chef over Gregory Gourdet, and former winner Richard Blais came back as a recurring judge.

Mei grew up outside Detroit, and she comes from a culinary family. She worked alongside her father at the family’s owned-and-operated restaurant before going on to cook with Michael Symon at Roast Marcus Samuelsson at C-House and Wolfgang Puck at Spago Las Vegas. She was part of the opening team at ink., the restaurant launched by former Top Chef winner Michael Voltaggio, and was ultimately named Sous Chef.

After her win, Mei told Eater that she wants to open a restaurant of her own but didn’t share any specific details — only that she wants it to be casual, with quick-service lunch and full-service dinner.


Roast Valuable Player

Once you get a little more comfortable with the meat, you can venture into roasting it. "Goat is pretty lean, so you need to treat it carefully if you're roasting it," Andrew Carmellini, chef of NoHo Hospitality Group, tells us. At Carmellini's latest restaurant, Leuca, which focuses on Southern Italian food, he serves goat in a fazzoletti pasta.

While you can roast the leg low and slow, once you find a good purveyor of goat, you can play around with different cuts. Izard has run goat loin on her menu, serving it with pickled ramps and blackberries. She recommends checking out your local farmers' market to find a good source of goat, making sure it's super fresh.


Assista o vídeo: Stephanie Izard


Artigo Anterior

Michael Symon aguarda com expectativa o Festival de Gastronomia e Vinho de Nova York

Próximo Artigo

Barras de torta de chocolate e noz-pecã da Frontera